segunda-feira, 8 de novembro de 2010

A Criminalidade


A criminalidade está fechando o cerco. A vizinha foi assaltada, a filha da mulher do banco foi seqüestrada, o moço do posto levou bala perdida, entraram em um condomínio de luxo e roubaram cinco carros.
Pouca policia ou muita criminalidade? Drogas, necessidade ou crueldade?
Medo. Insegurança. Impotência.
Bandido solto e o inocente preso, cada vez mais preso. O pai não dorme enquanto o filho não chega o filho não dorme enquanto o pai não chega, a família não dorme mais.
Grade nas janelas, arame no portão, cerca elétrica onde der, três alarmes em casa, câmeras nos muros e cinco fechaduras nas portas. Quando o vento bate na janela a mãe acorda e grita “É ladrão!”.
Criança em casa, e o homem livre está preso, cada vez mais preso. O moço no mercado disse “Bom dia”, a mulher saiu correndo achando que era assalto. Tem arame até no papel higiênico.
Pena de morte não diminuiria a criminalidade, mas diminuiria criminosos. Sou a favor.
“A culpa é de quem? E a culpa é de quem?” ♪
Não se sabe quando, mas a cada dia que passa a certeza de que a sua hora está próxima só aumenta. É apavorante.
Quanto vale seu celular? E a sua vida?

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Parentes inconvenientes

Ou você tem ou você é.
Sabe aquela pessoa que chega à sua casa abre a geladeira, deita na sua cama, muda o canal, liga seu computador, toma seu iogurte, abre as gavetas, dá bronca no seu cachorro e palpita na sua vida? Acha que pode só porque é da família, e se essa pessoa soubesse que não tem um décimo da intimidade que ACHA que tem?!
Então, você está saindo de casa, avista um carro conhecido estacionando, são eles, os parentes inconvenientes (por que eles estão sempre sorrindo?), descendo do carro proclamam a famosa frase “Viemos fazer uma visitinha.”, você engole a seco e trata de colocar um sorriso no rosto.
Crianças, bem, crianças já são inconvenientes sozinhas, para fechar o pacote vem com suas respectivas mães sem noção alguma! Quantas vezes você já teve que permitir que sua cama virasse um trocador de crianças cagonas? E quando a mãe diz “Posso deixá-lo aqui? Ele é bonzinho, não incomoda J”, seu pensamento grita em sua mente “NÃO, não pode! Incomoda sim! Se ele sentar no capacho do lado de fora da porta ainda vai incomodar!”, você é tomado pela razão e responde “Claro.”. Ou quando a mãe sem noção aparece na sua casa sexta-feira á noite dizendo que a tia avó do chefe da prima de segundo grau do marido da vizinha faleceu que ela precisa ir ao velório e não tem com quem deixar o pentelho, ela estrategicamente sai correndo para que você não tenha tempo de dizer “não”, ela só volta para buscá-lo domingo, na mesma hora em que despejou a criança na sua porta, caso você tivesse tempo diria: “Você que pariu VOCÊ que cuide!” J
Você passou o dia inteiro lambendo a imensa mesa de vidro que comprou no dia anterior, está todo orgulhoso por deixá-la sem nenhuma digital, então chega à criança, com a mão inteira melada de sei lá o que, e o que ela faz? Mete sua mão gorda e imunda na mesa que você passou o dia esfregando!  A mãe sorri e diz que o filho é uma graça.
E quando você sede sua cama para o parente dormir? Ou divide quarto com o parente que ronca como um caminhão?
Sem contar que quando os parentes não estão torrando a paciência estão pedindo favores.
Parentes, melhor não tê-los.